Pages

A polícia de Londres está fazendo vista grossa à violência de Muçulmanos extremistas

A polícia seria racista, intolerante e islamofóbica para os Muçulmanos se prendesse quem desrespeita a lei, assim como é racista, intolerante, e islamofóbica a pessoas que posta esta notícia. A única coisa tolerante, equilibrada e racional a se fazer é se curvar ao Islã.

LONDRES - As vítimas dizem que os policiais no bairro de Tower Hamlets têm ignorado ou subestimado surtos de crime de ódio e suprimido provas da implicação de Muçulmanos em crimes porque temem ser acusados de racismo.

As reivindicações vêm de quando quatro Muçulmanos de Tower Hamlets foram presos por pelo menos 19 anos por agredir um professor branco local que dava aulas de estudos religiosos para meninas Muçulmanas.

O Sunday Telegraph revelou mais de uma dúzia de outros casos em Tower Hamlets, onde Muçulmanos e não-Muçulmanos têm sido ameaçados ou agredidos por comportamentos considerados como um violação fundamentalista das "normas islâmicas."

Uma vítima, Mohammed Monzur Rahman, disse que ficou parcialmente cego e com um ombro deslocado após ser atacado por uma multidão em Cannon Street Road, Shadwell, por fumar durante o mês sagrado Muçulmano (o Ramadã) no ano passado.

"Dois caras me pararam na rua e me perguntaram porque eu estava fumando", disse ele. "Eu só segui meu caminho, e antes que eu percebesse outra dúzia de caras veio e me atacou. A próxima coisa que eu me lembro era que eu estava acordando no hospital".

"Ele relatou o caso à polícia e eles simplesmente disseram que não poderiam rastrear ninguém porque não havia testemunhas", disse Ahmed Ansar Ullah, um ativista anti-extremismo local que aconselhou o Sr. Rahman. "Mas há CCTV (circuito de câmeras) nessa rua e ela está repleta de lojas e pessoas."

Professores em várias escolas locais disseram ao Sunday Telegraph que eles se sentem "sob pressão" de extremistas Muçulmanos locais, que montaram campanhas através de pais e alunos - e, em um caso, através de um outro professor - para fazer cumprir o uso obrigatório do véu para as meninas Muçulmanas. "Foi totalmente orquestrado", disse um professor. "A atmosfera tornou-se extremamente desagradável por um tempo, com agressão verbal constante de ambas as crianças..."

Um professor na escola primária Green Bigland, Nicholas Kafouris, no ano passado levou o conselho a um tribunal do trabalho, dizendo que ele foi forçado a sair de seu trabalho por reclamar que os alunos Muçulmanos praticavam bullying racistas e anti-semita e diziam que apoiavam o terrorismo. O sr. Kafouris perdeu o caso, embora a escola tenha admitido que a ação havia sido insuficiente contra o comportamento de alguns alunos. O número de agressões a professores em Tower Hamlets, resultando em exclusões, mais do que dobrou de 190 em 2007/8 para 383 em 2008/9, o último ano disponível, embora nem todos sejam necessariamente relacionados a raça.

A comunidade gay de Tower Hamlets "tornou-se um alvo particular dos extremistas. Crimes homofóbicos no bairro subiram 80 por cento desde 2007/8, e 21 por cento no último ano, período em que houve uma ligeira queda em Londres como um todo. [FONTE]

Um comentário:

  1. Maometanos: "Vocês pertencem ao pai de vocês, o Diabo, e querem realizar o desejo dele. Ele foi homicida desde o princípio e não se apegou à verdade, pois não há verdade nele" (Jo. 8,44).

    ResponderExcluir