Pages

Clube ensina as esposas a aceitarem a poligamia

Indonésia - O clube divide o país. O objetivo é ensinar as mulheres dedicação total a seus maridos, mesmo na esfera sexual. Para os ativistas, é um pretexto para justificar o casamento com várias mulheres. Para um estudioso islâmico: a relação é como um carro, o marido é o motorista e a esposa de um "submisso e obediente" passageiro.
A sociedade civil é dividida entre aqueles a favor e contra, a classe dominante tem expressado preocupação, enquanto a ala fundamentalista islâmica apoia a iniciativa. O que é certo é que o nascimento na Indonésia - depois da Malásia - do Clube de Esposas Obedientes ('OWC', em Inglês), é uma organização em que as mulheres são totalmente submissas a seus maridos. Até a demanda sexual não passa despercebida. Os críticos apontam que a fundação do clube é apenas um "pretexto" para legitimar a poligamia no país, algo a que a maioria da população se opõe e que é considerada ilegal pelo ex-presidente Suharto, no poder de 1967-1998.
Em 19 de junho, KlubTaat Suam global Ikhwan nasceu, sob a liderança da presidente Gina Puspita. O grupo já tem 50 membros mulheres, embora a associação afirme cerca de 300 sócios. O objetivo é ensinar as mulheres indonésias como ser "boas esposas" aos olhos da família e do marido e ao mesmo tempo, reforçar os princípios da fé islâmica nas esposas.
Para a sra. Puspita, chefe do clube, o verdadeiro objetivo é inculcar nas mulheres o desejo de "aceitar" a poligamia, se o caso for decidido pelo marido. E para fazer isso, o presidente usa o exemplo do carro: o marido é o motorista e a mulher deve assumir a atitude de  um "bom" passageiro, fiel, submisso e obediente.
A tentativa de introduzir a lei islâmica através do princípio da poligamia na Indonésia - proibido por lei - é denunciada por ativistas dos direitos das mulheres. Eles se lembram como o OWC é o fruto do controverso 'Clube Poligamia', que foi fundado por conservadores e fundamentalistas islâmicos de grupos com vínculos com Ikhwan Global em outros países, incluindo Tailândia e Singapura.
O poderoso Conselho Ulema da Indonésia (MUI) apoiou a criação dos clubes e afirma que não é contrário aos ditames da Sharia, ou lei islâmica. Gusrizal Gazahar, vice-chefe do MUI de Padang, em Sumatra Ocidental, disse que "é dever de toda mulher muçulmana obedecer ao marido em tudo".
Entre os primeiros críticos da associação está Linda Agumar Gumelar, ministra indonésia  do empoderamento das mulheres, segundo a qual ela representa "um passo para trás" para a sociedade e o caminho para a igualdade entre os dois sexos". A Comissão Nacional Indonésia para as Mulheres - mais conhecido como Komnas Perempuan - também aponta o dedo ao prefeito de Bogor Diani Budiarto (também o protagonista do episódio em que ele se opôs à construção da Igreja Católica na Yasmin), já que ele recentemente se casou com sua quarta esposa, uma menina de apenas 18 anos. (Fonte)

Por favor, se gostou, clique no botão +1:

Nenhum comentário:

Postar um comentário